28 March, 2007

Enxaqueca

Sofro há anos de enxaquecas cíclicas que com a idade se têm agravado.
(...)de origem hormonal, (...)com a retenção de líquidos. Logo tomo o lasix para prevenir mas nem sempre ajuda. Para a dor deixei de tomar o algimat e agora tomo o clonix.(...)a clínica geral acha que as mesmas têm muito a ver com a tensão (stress) e quando as tenho tomo o SEDOXIL a par do analgésico e do Primperan.
(...)O neurologista acrescenta que as situações de stress, noites mal dormidas e problemas digestivos (digestões difíceis) provocados pelo stress agravam a situação...
Sei quando a enxaqueca se aproxima porque o 1º sintoma é o começar a ter "alucinações olfactivas" e começo a ver raios e luzinhas. A seguir vem a intolerânica ao ruído, a dor alucinante (para mim) e as nauseas...demoro a restabelecer-me e o provocar o vómito às vezes ajuda.
(...)que posso eu fazer mais?
_____________________________________________________________________Em Relação à terapêutica da Enxaqueca inicialmente são prescritos analgésicos e, caso estes se revelem ineficazes, é administrada uma associação de diversos fármacos.
os medicamentos mais utilizados são habitualmente:
os anti-eméticos (por exemplo metoclopramida e domperidona)
os analgésicos (como o ácido acetilsalicílico, o paracetamol e os AINE (anti-inflamatórios não esteróides). Muitos fármacos de venda livre contêm combinações de analgésicos com outros compostos, como a cafeína, por exemplo.
derivados da ergotamina- ergotamina actua provocando uma constrição dos vasos sanguíneos centrais e periféricos. Provoca alguns efeitos secundários pelo que deve ser adm. sob vigilancia. Existe um derivado mais recente da ergotamina, a di-hidroergotamina (DHE), pode ser considerado igualmente eficaz e mesmo melhor do que a ergotamina, produzindo um efeito mínimo sobre as artérias periféricas e uma vasoconstrição modesta ou nula. Os efeitos secundários da DHE são mais limitados.
Os triptanos- fármacos tem um mecanismo de acção muito dirigido e uma eficácia já amplamente demonstrada nas crises de enxaqueca e actuam de modo selectivo sobre o receptores da serotonina....controlam as paredes dos vasos cerebrais impedindo a sua dilatação, facto que está relacionado com a libertação das substâncias causadoras de dor. Assim, conseguem interromper a crise, eliminando ou reduzindo a cefaleia e os sintomas adjacentes.Estes medicamentos existem em diversas formas de apresentação (supositórios, compressas, spray nasal, ampolas) e são administrados sob rigoroso controlo médico.
Associação Inibidores da COX-2 + triptano
Estrogéneos -Com base nas causas que podem estar por detrás da enxaqueca menstrual, alguns investigadores decidiram tratá-la com estrogéneos
Beta-bloqueantes, como o propanolol, largamente usado
Relaxantes-nos casos de enxaqueca motivada pelo stress.

O tratamento faz-se de preferência por etapas: primeiro a associação analgesico+metoclopramida(primperan) +eveltualmente um "calmante". As restantes opções devem ser usadas por prescrição médica.
mas, o mais importante:
Em caso de crises frequentes, deve ser feita uma profilaxia.
A terapêutica preventiva contra a enxaqueca deve ser iniciada quando:
se manifestarem por mês duas ou mais crises de enxaqueca, incapacitantes, com a duração de 3 ou mais dias
o tratamento com os fármacos sintomáticos estiver contra-indicado ou for ineficaz
forem utilizados fármacos sintomáticos mais de 2 vezes por semana.
.
A terapêutica preventiva é administrada em ciclos de 3 a 6 meses, sergundo o critério do especialista. Como fármacos, são utilizados os antagonistas dos canais do cálcio (como a flunarazina), os betabloqueantes ( o propanolol é o mais utilizado), os antagonistas dos receptores 5-HT2 (por exemplo o pizotifeno, o metisergide), a di-hidroergotamina (indicada sobretudo na profilaxia da enxaqueca de fim de semana e menstrual), os antidepressivos tricíclicos (como a amitriptilina), os analgésicos (ácido acetilsalicílico e AINE). Para a sua eficácia ser comprovada é necessário um período de 3 a 4 semanas.
Obviamente, são terapêuticas a fazer sob controlo médico.

Contra Capa

5 comments:

immortal said...

eu sofro de dores de cabeça desde muito novinha, tinha q sair muitas vezes da escola pq não aguentava, não são tão intensas como as descritas, no entanto desenvolvo muitas vezes intolerância a luz e a ruidos se não "atacar" logo a dor ( o que me parece normal) nunca me foi receitado nada em específico embora o mais provável é que seja de origem nervosa

e-konoklasta said...

olá miúda!

só um beijinho

é a namorada do meu filho que tem enxaquecas, vou enviar-lhe o link

ciao

Cristina said...

immortal

é pouco provavel que seja nervosa...desde pequena??

bjinho

Cristina said...

e-konoklasta

à vontade :))

beijinhos

immortal said...

desde os 12/13 anos,em pequena não me recordo, talvez de uma situação aí com oito anos em que a mãe até me levou à farmácia por não ter nada em casa que fosse p criança,e associaram a dor ao barulho das obras na rua...