18 March, 2008

piercings, a proibição.



Parece que na versão inicial do diploma , entregue sexta-feira no Parlamento, o PS quer proibir qualquer menores de 18 anos de fazer tatuagens, colocar piercings ou aplicar maquilhagem definitiva, prevendo ainda, a proibição, extensiva a todas as idades, de piercings na língua, na boca e noutros locais considerados de maior risco. Segundo li, o PS ter-se-á manifestado entretanto disponível para aceitar que menores de 18 anos sejam autorizados a usar 'piercings' ou tatuagens, desde que as respectivas famílias assumam a responsabilidade em termos de consequências para a saúde.
Este tipo de regulamentação é inédita? não. No Brasil, A lei paulista n.º 9.828, proíbe desde 1997, por exemplo, a aplicação de piercings e tatuagens em menores de idade, mesmo sob consentimento dos pais. Nos outros países da europa não sei, mas é uma questão de ver. Depois.
Com uma coisa concordo: os piercings, na minha opinião, fazem parte da cada vez mais longa lista de agressões corporais com fins estéticos, que eu não condeno desde que a pessoa esteja devidamente consciente dos riscos, que devem ser devidamente regulamentadas e, na minha opinião, devem ser proibidas a menores excepto, com autorização explicita dos pais. E neste grupo incluo piercings, sejam eles argolas, bolinhas, alargadores, halteres ou outros quaiquer, tatuagens, e sobretudo, na lógica das alterações corporais, cirurgias estéticas, aplicações de silicone, botox e afins.
Por partes: furar o nariz, a lingua, a orelha, os mamilos, os genitais, ou qualquer outra parte do corpo pode ser de gosto duvidoso, mas é com cada um. Agora, esta agressão não é de forma alguma inóqua, está sujeita a infecções graves e em último caso a deformações definitivas. Escrevi sobre isso, há tempos, a propósito do botox. Lembro-me ainda, a título de exemplo, de uma rapariga que andou meses com uma infecção da parede abdominal por causa de um piercing no umbigo. Por outro lado, em relação ao piercing da língua, um estudo publicado na revista da Associação Odontológica Americana lista os riscos de colocar brincos nesse órgão: Logo depois da perfuração, há dor, inchaço, aumento da salivação e lesões na gengiva. Com o tempo, por causa do inchaço e do aumento da vascularização da língua, a fala fica comprometida. Muitas vezes, com a movimentação natural da língua, os brincos batem nos dentes e podem lascá-los, provocando dificuldades para mastigar e engolir alimentos. Outro problema do enfeite exótico é que o buraco feito para colocar o brinco torna-se um depósito de restos de comida e células mortas da mucosa uma cultura perfeita para bactérias e outros agentes infecciosos. Faz sentido? E é só por isso que acho que deve ser feita com autorização expressa dos encarregados de educação e mesmo assim com reservas. Tal como um cirurgião plástico não opera uma miúda que queira aumentar as mamas sem pensar duas vezes e principalmente sem consentimento dos pais, com os piercings não devia ser muito diferente. Discute-se até, muitas vezes, se se devia fazê-lo a menores tout cour. E tudo isto porque, a adolescência, nem sempre comporta uma ideia madura sobre aquela que deve ser a imagem corporal definitiva e também, ou sobretudo, sobre os riscos que podem transformar uma alteração reversível numa deformação definitiva.
E nós pais nisso?

Contra Capa

3 comments:

blimunda sete luas said...

Cristina,

Só para lhe dizer que linkei este post!

E já agora, boa Páscoa! :)

Carlos Rebola said...

Os piercings, além de aculturais na nossa cultura ocidental, não fazem sentido. Os riscos estão referênciados e para além do mais não incrementam mais beleza ao corpo de quem usa, isto penso eu de acordo com o meu padrão de beleza e estética.
Beijos
Carlos Rebola

pipoca said...

piercing coloka quem que.... pq sabem o risco que correm... eu tenhu piercing e alargador nunca me deu nenhu risco pq eu me cuidei .....eu penso issuh poe quem que ....